terça-feira, 20 de abril de 2010

Feserj reune shapers e surfistas para discutir sobre pranchas e meio ambiente

JustificarConsiderado pelos mais experientes profissionais como o programa mais avançado do mundo há mais de 15 anos, o Shape3D é a ferramenta que faltava para tornar o processo de fabricação de pranchas ainda mais eficiente. Segundo o shaper Henry Lelot, diretor da Shape3d no Brasil, a empresa pretende aliarNo último sábado, 17 de abril, a Feserj (Federação de Surf do Estado do Rio) em parceria com a Sociedade Brasileira de Shapers (SBS), a Organização Surfe do Brasil (O’SURFE) e a Marbras Et Mundi reuniu shapers e surfistas no Auditório do Centro de Referência em Educação Ambiental de Marapendi, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, para apresentar a nova maquina de shape da Shape3D Brasil e o projeto Ecobloc.

No encontro, esteve presente o criador do programa Shape3D, o francês Thomas Wilmin, e o pesquisador carioca radicado em Florianopólis Paulo Eduardo Antunes, mestre em engenharia ambiental Coordenador do Projeto Marbras Et Mundi, que está divulgando o projeto piloto de um centro comunitário com a utilização de blocos de concreto fabricados com recuperação de resíduos da produção de pranchas.




Pranchas em terceira dimensão





JustificarConsiderado pelos mais experientes profissionais como o programa mais avançado do mundo há mais de 15 anos, o Shape3D é a ferramenta que faltava para tornar o processo de fabricação de pranchas ainda mais eficiente. Segundo o shaper Henry Lelot, diretor da Shape3d no Brasil, a empresa pretende aliar as vantagens do programa com os benefícios da nova máquina de shape, para oferecer um serviço de usinagem de primeira linha aos shapers cariocas.



A máquina, que tem capacidade para usinar pranchas e todo o tipo de equipamento náutico, como ate mesmo barcos e caiaques, de todos os tamanhos até 14 pés x 34 polegadas de largura máxima, está sendo instalada na sede da O’Surfe, na praia da Macumba.



Com tecnologia nacional e construída com o que há de mais moderno no mundo, a nova máquina usina a borda completa e corta ate mesmo a longarina, levando o pré-shape a um patamar nunca antes visto no Brasil. “Nosso projeto prevê a instalação de, ao menos uma máquina de shape em cada região, prestando serviço a todos. É claro que vai estar à venda para qualquer shaper que se interesse, inclusive por um preço super acessível, em torno de 29 mil reais”, salienta Lelot.



Já o programa Shape3D permite ao shaper desenhar suas pranchas no computador, como se estivesse na sala de shape. A prancha pode ser desenhada em até três ângulos simultâneos, mostrando todas as partes da prancha, permitindo sua visualização em terceira dimensão. O shaper pode girar a imagem para que esta possa ser observada por qualquer ângulo, com recursos de renderização (esquadrinhamento), iluminação e zoom. Isso irá facilitar a identificação de bumps (quebras de linha nas curvas da prancha).



Ecologicamente correto, o Shape3D contribui com o meio ambiente ao permitir a sobreposição do desenho sobre o bloco a ser utilizado, antes da usinagem, garantindo que a prancha seja cortada somente caso o desenho se encaixe adequadamente ao bloco, garantindo precisão nas medidas e evitando prejuízos financeiros. Inspirado em programas oriundos da indústria aeronáutica, o Shape3D permite ainda avaliar as curvas desenhadas minimizando o "drag" (arrasto Hidrodinâmico) e escolher a unidade de medida a ser utilizada (fração ou decimal de polegada, centímetro, etc).



Qualquer pessoa pode se cadastrar no site e baixar a versão "light" do programa, gratuitamente pela internet (www.shape3d.com), ou solicitar a versão completa para avaliação por 30 dias, sem custo algum ( sbs_shapers@hotmail.com ).



Surf sustentável




Incorporar o inconsciente coletivo à noção de que sem conservação não há futuro é imprescindível não só para a comunidade do surf atual, mas para toda a sociedade e gerações futuras. O surf e suas origens sempre transmitiram valores em que natureza e bem estar são fundamentais para uma vida saudável. O que muitos não sabem é que essa indústria, somente no Rio de Janeiro, produz no Brasil cerca de 28 mil pranchas de surfe ao ano, e aproximadamente 50% do material consumido é desperdiçado, produzindo uma média anual de 214 toneladas de resíduos tóxicos.



No entanto, estes materiais poderão se transformar em matéria-prima, minimizar impactos ambientais e retornar ao mercado¸ por meio de um novo ciclo econômico, gerando oportunidade de trabalho, renda e promoção institucional para o Rio de Janeiro, além de economizar cerca de 4,28 milhões de dólares por ano.



O projeto piloto, estudado e desenvolvido pelo mestre em engenharia ambiental, Paulo Eduardo Antunes, será implementado pela Marbras Et Mundi, através de parceria com a Feserj, a Sociedade Brasileira de Shapers e a ONG Organização Surfe do Brasil. Trata-se de uma edificação com 150m²¸ que será construída com Ecoblocs (blocos de concreto desenvolvido com resíduos de pranchas de surfe), por meio de mutirão com residentes da Comunidade do Terreirão, praia da Macumba. O espaço será então transformado em um núcleo de desenvolvimento sócio-ambiental, com a realização de atividades artísticas, desportivas e de capacitação profissional e pode ser replicado em outras comunidades.



“Os resíduos, que deveriam ir para um aterro industrial, são despejados aterros simples ou lixões, o que é altamente perigoso, já que trás sérios impactos não só para o meio ambiente, mas para a saúde de todos caso não recebam o tratamento ambiental adequado. Estes materiais poderão ser recuperados. Estes materiais poderão ser reutilizados, ainda mais considerando que o surfe depende da natureza, então é um dever até espiritual cuidar do nosso habit natural”, explicou Paulo Eduardo.



De acordo com Abílio Fernandes, Feserj, não há solução para tais problemas sem que haja uma ação efetiva que proporcione causa e efeito. “Sempre houve um trabalho de conscientização nas praias, mas o problema não acaba nunca, pois as pessoas continuam com o ciclo vicioso. Mas quando se viabiliza um projeto como este de reciclagem, que vai atuar efetivamente eliminando um problema, ainda mais se aproveitando os resíduos para o mercado, é realmente um trabalho para o desenvolvimento sustentável”, garantiu Abílio.



JustificarConsiderado pelos mais experientes profissionais como o programa mais avançado do mundo há mais de 15 anos, o Shape3D é a ferramenta que faltava para tornar o processo de fabricação de pranchas ainda mais eficiente. Segundo o shaper Henry Lelot, diretor da Shape3d no Brasil, a empresa pretende aliarNa primeira etapa, as empresas receberão um incentivo por meio de uma pré-certificação denominada 'compromisso ambiental', que caracterizará a adesão das fábricas de pranchas a um Sistema de Gestão Ambiental e após cumpridas todas as prerrogativas deste SGA, as empresas receberão o selo definitivo de 'excelência ambiental' certificado de compromisso ambiental, com o selo ISO SURF de excelência. “Podemos sensibilizar as pessoas, mas conscientização é um processo individual, é de cada um. Que tipo de herói é esse que está dentro d’água imerso, curtindo um tubo e, em paralelo está gerando toneladas de lixo tóxico, prejudicial ao meio em que vivemos... É contraditório”, argumentou o mestre em engenharia ambiental e surfista, local do Rio de Janeiro mas residente em Florianópolis, Santa Catarina.



“A idéia é ótima, o mais difícil é que as coisas só começam a funcionar quando se torna um hábito, a sociedade ainda não estás preparada para limpar o nosso planeta da sujeira que fazemos. Existe um mal armazenamento e podemos sim ser os pioneiros. O importante é começar com este projeto, que a cada dia se torna uma voz forte e necessária, pois já estamos dentro de um limite para melhorar nossas condições de vida”, disse o shaper Daniel Friedmann.



Para Jorge Araújo, diretor de meio ambiente da Feserj, o verdadeiro espírito do surfista está devendo muito à natureza. “Fiquei muito feliz em ver um projeto como esse, pois a sociedade imagina que o surf é ecologicamente correto, mas na prática não é bem assim. No Grumari, por exemplo, um parque tombado e preservado, as pessoas não respeitam e jogam lixo na praia, no chão. Estamos sempre promovendo a educação, mas a participação dos surfistas é muito pequena, a maioria não está integrada e ainda continua poluindo. Além do lado de quem produz e gera resíduo, por não saber o que fazer com o lixo, tem o trabalho social, árduo e fico animado com a possibilidade de diminuir esse impacto”, disse Jorginho que também é e diretor-fundador da ASAG (Associação dos Surfistas Amigos do Grumari).

Por Viviane Freitas

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

CRETA Tecnologia de Reciclagem disse...

A matéria ficou fantástica.
Para quem tiver dúvidas, sugiro que acessem o forum da CRETA Tec.

http://www.cretatec.com.br/index.php?option=com_kunena&Itemid=79&func=view&catid=25&id=20

Atenciosamente

Ocorreu um erro neste gadget
Template by - Abdul Munir | Daya Earth Blogger Template | Política de Privacidade