segunda-feira, 30 de junho de 2008

Americano Shaun Ward vence o Local Motion Pro

O Guarujá Surf Pro recolocou o balneário paulista no calendário do Circuito Mundial de Surfe Profissional, mas uma coisa parece não ter mudado nestes 12 anos de ausência.

Assim como foi entre 1990 e 1996, o campeonato foi vencido por uma surpresa. O único estrangeiro classificado para o domingo decisivo acabou faturando seu primeiro título em uma etapa importante do WQS.

Ninguém apostava numa vitória do californiano Shaun Ward, 25 anos, mas ele derrubou os três brasileiros que enfrentou no último dia nas boas ondas de 1 metro de altura da Praia de Pitangueiras. Deixou o catarinense Tomas Hermes nas quartas-de-final e o cearense André Silva na semi, antes de bater o carioca Simão Romão na grande final.

O título valeu um prêmio de 12.000 dólares e 2.000 pontos que levaram Shaun Ward da 77ª para a 30ª posição no WQS. Já o vice-campeão Simão Romão, 22 anos, ganhou 6.000 dólares e 1.750 pontos, subindo do 62º para o 27º lugar no ranking que classifica os 15 primeiros para a elite do ASP World Championship Tour. No Guarujá Surf Pro, apenas dois surfistas ingressaram neste grupo, o cearense Pablo Paulino e o australiano Shaun Gossmann. O WQS agora parte para a África do Sul, onde na terça-feira começa a tradicional etapa de Durban, que vai ter o brasileiro Jihad Kohdr defendendo o título.

No ano passado, Shaun Ward disputou 21 etapas do WQS, só fez duas finais, não ganhou nenhuma e terminou em centésimo lugar no ranking. Neste ano, o Guarujá Surf Pro foi seu oitavo campeonato e ele já tinha vencido um pequeno, de nível 2 estrelas e apenas 500 pontos nos Estados Unidos. Já a vitória no Brasil foi a sua primeira em eventos importantes do WQS.

“Eu nunca tinha feito final em um 5 estrelas, estou muito feliz por ter vindo para cá, não imaginei que poderia vencer e confesso estar até surpreso com a vitória”, confessou Shaun Ward, que comemorou bastante seu melhor resultado na carreira.

Ele repetiu o feito de um outro norte-americano não tão conhecido que em 1993 também conquistou seu único título importante no Guarujá, Joey Jenkins.

“Tenho surfado todo dia, treinado todo dia, tudo para conseguir bons resultados e ele veio aqui, então estou muito feliz. Enfrentei adversários bem difíceis em todo o campeonato, mas competi sempre tranqüilo, sem pressão. As ondas aqui são bem parecidas com as de onde eu moro, Huntington Beach, então não senti dificuldade nenhuma para surfar aqui. Deu boas ondas durante toda a semana e agora só quero comemorar essa vitória, que é um marco na minha carreira”.

Na grande final do Guarujá Surf Pro, o carioca Simão Romão largou na frente com uma nota 7,33 em sua segunda onda, mas faltou outra boa para poder somar no resultado e acabou computando uma 4,37. O norte-americano Shaun Ward não teve um bom início, mas apostou nas direitas da Praia das Pitangueiras para conquistar o título com notas 6,83 e 6,10 no placar encerrado em 12,93 x 11,70 pontos.

“Eu tava precisando de um bom resultado para levantar minha auto-estima. Estou malhando direto, treinando sem parar e não estava me dando bem nos campeonatos. Tentei entender o que estava acontecendo, o porquê disso, então resolvi desencanar, esquecer isso tudo e só surfar. Foi isso que fiz aqui”, contou Simão Romão.

Depois de bater a surpresa Tomas Hermes no primeiro confronto do domingo decisivo, o californiano Shaun Ward surfou a melhor onda do dia para derrotar o cearense André Silva na semifinal. Ele destruiu uma ótima esquerda com várias manobras jogando muita água para arrancar um 9,70 dos juízes e fechar o placar com uma boa vantagem de 16,37 x 13,73 pontos. André Silva tinha deixado o catarinense Marco Polo nas quartas-de-final e dividiu o terceiro lugar no pódio do Guarujá Surf Pro com Rodrigo Dornelles.

“Ele achou a melhor onda da bateria e não deu”, lamentou André Silva. “O mar está até bom hoje, tem altas esquerdas, só que eu acabei sendo arrastado pela correnteza lá para o meio da praia, onde as ondas estão mais cheias.”, falou André Silva, que saltou do 85º para o 46º lugar no WQS com os 1.700 pontos do terceiro lugar no Guarujá Surf Pro.

Na outra semifinal, o experiente surfista do WCT Rodrigo Dornelles começou melhor com uma nota 7,33, mas Simão Romão assumiu a ponta com notas 8,00 e 6,83 seguidas. O gaúcho tentou até o fim repetir a virada que conseguiu nos últimos segundos na quarta-de-final contra o paulista Davi do Carmo e até pegou uma onda para isso. No entanto, ela não era boa, fechou rápido e o placar terminou mesmo em 14,83 x 13,63 pontos, com Simão Romão seguindo para representar o Brasil na decisão do Guarujá Surf Pro.

Já os catarinenses Marco Polo e Tomas Hermes, o cearense Adilton Mariano e o paulista Davi do Carmo, barrados nas quartas-de-final, terminaram empatados em quinto lugar no Guarujá Surf Pro, que valeu 2.500 dólares e 1.300 pontos.

A passagem do WQS pelo Brasil nesta nova perna de junho da ASP South America foi positiva para os surfistas brasileiros. O paulista Hizunomê Bettero era o único na lista dos 15 que sobem para o WCT e ele agora vai para a África do Sul como novo líder do ranking. Já o carioca Raoni Monteiro assumiu a quinta posição, o carioca Pedro Henrique subiu para o 12º lugar e o cearense Pablo Paulino é o 13º colocado na classificação geral das 18 etapas completadas no Guarujá.

RANKING WQS 2008 – 18 etapas / Os 15 primeiros colocados:

01: Hizunomê Bettero (BRA-SP) – 8.650 pontos
02: Patrick Gudauskas (EUA) – 7.919
03: Austin Ware (EUA) – 7.838
04: David Weare (AFR) – 7.813
05: Raoni Monteiro (BRA-RJ) – 7.800
06: Nathaniel Curran (EUA) – 7.600
07: Shaun Gossmann (AUS) – 7.438
08: Sunny Garcia (HAV) – 7.215
09: Kekoa Bacalso (HAV) – 7.162
10: Brett Simpson (EUA) – 7.075
11: Shaun Cansdell (AUS) – 6.950
12: Pedro Henrique (BRA-RJ) – 6.819
13: Pablo Paulino (BRA-CE) – 6.775
14: Drew Courtney (AUS) – 6.731
15: Nathan Yeomans (EUA) – 6.706

Texto: João Carvalho

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget
Template by - Abdul Munir | Daya Earth Blogger Template | Política de Privacidade